Praia do Sossego.

A Praia do Sossego é uma pequena praia que está situada entre as praias oceânicas de Piratininga e Camboinhas. Possui acesso por trilha ou por mar. O caminho é pavimentado, porém íngreme, entre as casas e depois por uma descida numa trilha entre pedras.

Por preservar muito das suas características naturais, tanto no que diz respeito às suas características ecológicas como às suas características paisagísticas originais, a Praia do Sossego nos permite conhecer um pouco do litoral da cidade de Niterói antes de seu grande crescimento urbanístico. Por essas características, a praia do Sossego pertence ao Parque Natural Municipal de Niterói (PARNIT), parte integrante do programa Niterói Mais Verde.

Foto: @marcelloalmofotografia

Capela de São Lourenço do Índios.

A Igreja de São Lourenço dos Índios é o mais significativo marco da fundação da aldeia de São Lourenço, primeira ocupação da colonização portuguesa no território que, mais tarde, se constituiria na cidade de Niterói.
Considerada um símbolo para a construção da identidade dos niteroienses, sua origem está relacionada ao assentamento indígena que ali se deu, no fim do século XVI. Essas terras foram povoadas a partir da doação de uma sesmaria ao chefe temiminó Araribóia, em 16 de março de 1568, pela ajuda prestada aos portugueses na expulsão dos franceses.
Tendo em vista a evidente importância deste bem para a identidade cultural da cidade e a pertinência do reconhecimento simbólico da igreja como bem cultural de Niterói, a Prefeitura Municipal de Niterói determinou seu tombamento através da lei 1038, de 1992. Um grande projeto de restauração foi desenvolvido pela Prefeitura e em 1992, a cidade recebeu a igreja totalmente restaurada.

Ilha da Boa Viagem

O nome Ilha da Boa Viagem foi dada pelos navegadores que chegavam ou saíam da Baía de Guanabara se ajoelhavam no convés das embarcações para agradecer a boa viagem que teriam tido ou para pedir a bênção para uma nova viagem fora da Baía. Eram comandantes e marinheiros que ajudavam a manter o local, e os donativos eram dados de acordo com a distância da viagem.
É ocupada pela Capela de Nossa Senhora da Boa Viagem, sobranceira às águas da Guanabara, erguida no século XVIII, no ponto mais elevado da ilha, pelo Provedor da Fazenda Real, Diogo Carvalho da Fontoura, fruto de uma promessa, em agradecimento por uma graça recebida. O dia da padroeira era festejado na capela votiva com celebração de missa e romaria tanto por marinheiros quanto por viajantes.
A ilha abrigou ainda uma bateria artilhada, para complemento da defesa da entrada da barra: a Bateria de Nossa Senhora da Boa Viagem. Duramente castigada pelo fogo da Esquadra durante a Revolta Armada (1893). Ali funcionou, entre 1840 e 1846 a Escola de Aprendizes Marinheiros. No início do século XX, a capela passou a ser cuidada pela Sociedade Protetora dos Homens do Mar, que exerceu essas funções até 1937, quando esta a devolveu para a União.

Em 1937, foi entregue pela Marinha aos Escoteiros do Mar, sob os cuidados do Almirante Benjamim Sodré, o “Velho Lobo”, para ser um Campo Escola Nacional dos Escoteiros do Mar e sede do 4º Grupo Escoteiro do Mar Gaviões do Mar, grupo do “Velho Lobo”, que é o “Guardião da Ilha”. A ilha é ligada ao continente por uma ponte, construída na década de 1970.

Foto: @marcelloalmofotografia

Pedra de Itapuca.

Símbolo na nossa marca, a Pedra de Itapuca é uma formação rochosa que se localiza entre a Praia de Icaraí e Praia das Flechas. É um dos símbolos da cidade de Niterói. Foi tombada em 1985 pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural. “Itapuca” é um termo de origem Tupi, significando “pedra fendida”, através da junção dos termos itá (pedra) e puka (fenda). A denominação é uma referência à antiga forma da Pedra de Itapuca, antes de ela ser implodida, em 1840, para o arruamento da região. A pedra formava um arco natural com o continente, daí o seu nome tupi significando “pedra fendida”. Com a implosão, o arco foi desfeito, restando dele, atualmente, somente um pilar rochoso no mar, a alguns metros da terra firme.
Foto : @marcelloalmofotografia


Museu de Arte Contemporânia – MAC.

Museu de Arte Contemporânea de Niterói (MAC)
A obra foi inaugurada no dia 2 de setembro de 1996. Projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer, o MAC tornou-se um dos cartões postais de Niterói. O museu possui um acervo de 1 217 obras da Coleção João Sattamini. Um conjunto reunido desde a década de 1950 pelo colecionador João Sattamini, constituindo a segunda maior coleção de arte contemporânea do Brasil.

Construído sobre o Mirante da Boa Viagem, na orla de Niterói, o museu, com sua fachada futurista, possibilita que o visitante desfrute de vistas panorâmicas que se lhe oferecem quer fora do museu, a partir do pátio, quer dentro do museu por um olhar pelo anel de janelas que divide este gigantesco “prato de concreto” em duas faixas.

O MAC abre de terça a domingo das 10:00 as 18:00

Foto: @marcelloalmofotografia